Vice-presidente de Laboratórios e conselheiro da Abrac comentam a participação da entidade no Dubai Expo 2021

Segundo o conselheiro Kim Rieffel e o vice-presidente de Laboratórios da Abrac, Israel Teixeira, a Associação ocupou espaço de protagonismo no evento internacional de tecnologia e inovação

Entre os dias 29 e 30 de março, a Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac) participou do Dubai Expo 2021, considerada a maior feira internacional de tecnologia e inovação. O evento, que aconteceu nos Emirados Árabes, reuniu empresários, empreendedores e outras lideranças em busca de soluções sustentáveis para o desenvolvimento do mundo.

Na ocasião, foram apresentados pela comitiva brasileira, formado por membros da Abrac, Abnt, Inmetro e do Polo Tecnológico de Itaipu, os temas Infraestrutura da Qualidade e o primeiro Laboratório de Infraestrutura da Qualidade do Brasil, projeto pioneiro que acontece em Foz do Iguaçu, no Paraná, tem como objetivo criar um espaço para facilitar conexão com empresas do ramo de Cidades Inteligentes.  A delegação também participou de um painel que comentou sobre o desenvolvimento nacional da infraestrutura da qualidade em mobilidade elétrica.

105913042022.png

Para comentar a participação da associação no evento, a Abrac conversou com o conselheiro da Abrac e CEO da PCN para Operações da América Latina, Kim Rieffell, e o vice-presidente de Laboratórios da Associação e diretor do Labelo, Israel Teixeira.

Israel 110413042022.png

Leia a entrevista na íntegra:

Abrac – Como avalia a importância do segmento de avaliação da conformidade participar do Dubai Expo 2021?

Kim Rieffell – A Dubai Expo 2021 é um verdadeiro hub internacional de Global Trends, onde apresenta as principais tendências de mercado e de novas tecnologias. A feira era dividida em três áreas: de sustentabilidade, mobilidade e, a terceira, era uma área de oportunidades.

Para o seguimento de avaliação da conformidade, eu entendo ser de importância enorme poder participar da feira, porque essas tendências, essa evolução, esse processo de desenvolvimento tecnológico, traz consigo a necessidade de haver estruturas de avaliação, de ensaio, de teste, de inspeções e de certificações acompanhando esses avanços e processo de desenvolvimento. Então, sob a minha ótica, a importância da participação das empresas e dos atores de avaliação da conformidade é fundamental.

Israel Teixeira – É fundamental que a avaliação da conformidade se desenvolva no mesmo ritmo, no mesmo timing, que as tendências e a tecnologia. E essa feira teve dois vieses extremamente importantes. O primeiro é que a gente tem a oportunidade de conhecer as tendências de tecnologia e de inovação. E, ao mesmo tempo, a gente vê que a avaliação da conformidade continua sendo uma das principais pontes para transações comerciais entre os países.

 Abrac – Como foi a participação da Abrac no evento?

Kim Rieffell – A Abrac foi, sem dúvida nenhuma, protagonista em todas essas agendas que aconteceram em Dubai, entre o Inmetro, o Parque Tecnológico de Itaipu, e a ABNT, através do nosso vice-presidente de Produtos, Alexandre Xavier. A Associação teve a oportunidade de fazer a apresentação desse projeto que eles estão levando a cabo com o Parque Tecnológico de Itaipu, o Laboratório de Infraestrutura da Qualidade. Esse é um projeto que está muito aderente às novas diretrizes do Inmetro dentro desse viés de regulação chamado de novo modelo regulatório.

Então, esse projeto que está sendo desenvolvido em Foz do Iguaçu é uma aplicação prática dessas diretrizes e conceitos que foram trazidos tanto pelo novo planejamento estratégico quanto por essa nova gestão.

Foi muito interessante ter tido a oportunidade de observar isso. O público que estava presente, que era composto por diversas empresas e pelo próprio governo sul coreano que participou dessas nossas agendas, comentou que é muito interessante ver uma transformação de conceito acontecendo. E esse processo sendo metabolizado em uma aplicação prática, que é o projeto da Abrac em Foz do Iguaçu.

Israel Teixeira – Acho que até a Expo Dubai nós estávamos inserindo a Abrac no ambiente de Infraestrutura da Qualidade. E, a partir desse evento, nós tivemos clareza. A Abrac assumiu protagonismo nessa área de Infraestrutura da Qualidade.

Kim Rieffell – Há um trabalho sendo feito dentro da Abrac há muitos anos. Estamos agora chegando em um ponto em que todo esse trabalho liderado pelo superintende da entidade, Masao Ito, está culminando nestes símbolos. A participação ativa da Abrac na Expo Dubai, que é o evento que representa a vanguarda tecnológica internacional dessas áreas, é um símbolo. A Associação ser protagonista num evento como esse é um símbolo muito claro, é um quadro, é uma foto de todo esse trabalho que foi feito ao longo dos últimos anos, do resultado desse trabalho.

Abrac – Qual o painel que vocês participaram e como foi?

Kim Rieffell – Participamos do painel “Desenvolvendo infraestrutura nacional da qualidade para a mobilidade elétrica”. Nós temos um acordo com as nossas empresas, tanto a PCN quanto a PUC, de cooperação com o Inmetro para desenvolvermos a Infraestrutura Nacional da Qualidade dentro do segmento de mobilidade elétrica. E, agora, como desdobramento desse acordo, nós estamos estabelecendo diversos grupos de trabalho.

Esses grupos de trabalho são setorizados por linhas de produtos. Então, você tem a bateria veicular, tem a estação de carga, tem o clube da estação de carga, tem o cabo da estação de carga, tem a tomada de carga. Daí tem as baterias divididas ali em pequenas baterias, médias e grandes, que a gente chama de estruturas mais complexas de armazenamento de energia.

A participação da Abrac dentro desse acordo de cooperação é enorme, porque esses grupos de trabalho vão ser compostos através dos organismos, dos laboratórios. Além, é claro, do setor produtivo, da academia, das próprias esferas governamentais que vão integrar esses grupos. Então, assim, o produto final desse acordo que nós temos vai ser o desenvolvimento desses trabalhos. Vai ter, sem dúvida nenhuma, a participação ativa da Abrac.

Israel Teixeira – Na medida em que todos podem participar do desenvolvimento desses grupos de trabalho, nós prestamos um serviço gigantesco ao País. O desenvolvimento de uma Infraestrutura da Qualidade para mobilidade elétrica tem esses impactos gigantescos. O mundo todo se move na direção de transformar a sua frota de veículos à combustão de combustível fóssil que tem um impacto ambiental gigantesco para a mobilidade elétrica. E o País precisa garantir que esses produtos que vão entrar apresentem uma qualidade segura. Quer dizer, cumprem normas de segurança de performance. E estamos propondo, justamente, que se desenvolva esses esquemas de certificação que serão voluntários no âmbito da Abrac. A participação da Associação e de órgãos governamentais da indústria. Enfim, de todos, mas acima de tudo isso, é um grande serviço que nós estamos prestando para o País.

Abrac – Um dos principais temas abordados pelo Brasil foi Infraestrutura da Qualidade. Como foi apresentar o tema internacionalmente?

Kim Rieffell – Entendo que as atividades que o Inmetro tem empreendido nesse processo de desenvolvimento de uma Política Nacional de Infraestrutura da Qualidade, está muito aderente ao que as principais economias do mundo fazem. Isso foi muito comentado, principalmente pelo governo sul-coreano, que esse conceito de desenvolver o parque laboratorial do País, de capacitar os organismos de certificação nesse sentido convergindo com todo esse processo tecnológico no qual uma aplicação prática desse processo de eletrificação da frota veicular do mundo, está muito aderente e convergindo muito com aquilo que é feito nas principais economias do mundo. Então, foi muito gratificante pra nós recebermos esse feedback no sentido de sabermos que estamos caminhando na direção certa.

Abrac – Quais foram as suas conclusões da participação do Brasil em um evento como esse?

Kim Rieffell – A gente acaba sendo um pouco repetitivo, mas é muito importante que isso esteja bem claro que esses processos de desenvolvimento tecnológico andam cada vez mais rápido. Eles ocorrem com mais velocidade. Então, aqui a gente está falando com mais foco em mobilidade elétrica, mas temos também uma série de outros processos em andamento. Por exemplo, indústria 4.0, internet das coisas, inteligência artificial, e gêmeos digitais.

Então, essas tecnologias, na medida que avançam, chegam até a população que precisa ter por trás disso uma estrutura de avaliação para que essas tecnologias cheguem até a sociedade de forma segura, de forma confiável. Sabemos sobre a importância de cada vez mais inserir a Abrac, inserir o setor de avaliação da conformidade dentro dessas discussões e aproximar o setor da indústria para que possamos garantir que, quando essas tecnologias chegarem efetivamente à sociedade, chegarem efetivamente à população, isso aconteça de forma segura, de forma confiável.

Fonte: Assessoria de imprensa da Abrac