“Os governos precisam estar cientes de como a avaliação de conformidade é utilizada para obter benefício para o consumidor”

Representante o Instituto Argentino de Normalização e Certificação, José Luis Ogando, concede entrevista à Abrac para falar sobre a fundação da AIEC

 foto mia

Apesar de todas as dificuldades e desafios impostos pela pandemia de Covid-19, em novembro deste ano, a Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac), o Instituto Argentino de Normalização e Certificação (Iram), e a Associação Colombiana de Avaliação da Conformidade (Asocec) realizaram a fundação da Associação Interamericana de Avaliação da Conformidade (AIEC), que agrupa diversos atores da Avaliação da Conformidade, a fim de defender interesses em fóruns internacionais.

Segundo o representante de Avaliação da Conformidade do Iram, José Luis Ogando, a ideia de criar a entidade surgiu a partir de reuniões entre o Instituto Argentino, o superintendente da Abrac, Masao Ito; e o diretor executivo da Asocec, Ramón Madriñan, com o objetivo de ter uma única voz das associações nacionais e órgãos do segmento nas Américas sobre a necessidade de fortalecer a infraestrutura de qualidade nos países.

“Por meio dessa parceria, objetivos conjuntos podem ser realizados com as experiências adquiridas nos diferentes países que compõem a região”. Para ele, os entes governamentais dos países que compõem o continente americano e que regulam a comercialização de produtos e serviços, em alguns casos, são assessorados por pessoas ou organizações que nem sempre possuem amplo conhecimento sobre o tema e sobre os benefícios da avaliação da conformidade. “Os governos precisam estar cientes de como a Avaliação de Conformidade é utilizada para obter benefício para o consumidor, focando no usuário, para que ele tenha um nível de confiança suficiente de que os produtos ou serviços que consome atendem às especificações que os originaram, ou seja, está em conformidade com as especificações declaradas pelo fabricante do produto ou prestador de serviço”.

De acordo com Orgando, uma vez que os sistemas nacionais de qualidade são essenciais para o desenvolvimento econômico, técnico, e sustentável nas Américas, os principais objetivos da criação da AIEC são promover e desenvolver a avaliação da conformidade por meio de associações e agências de avaliação da conformidade. “Além disso, apoio para fortalecer o trabalho de cooperação internacional de acreditação e no Conselho de Infraestrutura de Qualidade das Américas”.

Entre as expectativas da participação de outros países na AIEC, Orgando destacou a importância de ter uma associação que represente a todos do continente americano, a fim de desenvolver, promover e fortalecer a avaliação da conformidade junto com agências governamentais.

Para o representante do Instituto Argentino, as principais ações da nova entidade serão: montar um plano de trabalho a curto, médio e longo prazo, para chegar nas agências de governança dos países que compõem as Américas e fóruns regionais e internacionais de avaliação da conformidade. “[Espero] que os responsáveis pelos sistemas de qualidade nacionais e internacionais levem essa parceria em consideração como uma ferramenta para promover e desenvolver a avaliação da conformidade em seus países”.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Abrac