Estagiários do LIQ realizam treinamento na SGS, certificadora e laboratório associado à Abrac

Na última quarta-feira (20.07), os estagiários do Laboratório de Infraestrutura da Qualidade (LIQ), Ali Mohamad Kanso, Sarah Sofia Lass Weisheimer e Melissa Shih, que são estudantes de engenharia do Centro Universitário UDC, passaram por treinamento presencial na sede da SGS, associada à Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac), em Barueri (SP). Na oportunidade, a assessora da superintendência da Abrac, Cleriane Lopes acompanhou os estagiários, bem como o pesquisador do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Augusto Cunha.

Coube ao consultor da área de certificação da SGS, Sergio Figueiredo fazer uma apresentação sobre certificação de produto. “Na década de 1980 foi quando começou a ser falado de qualidade e preocupação com o produto”, iniciou Figueiredo.

De acordo com Sergio, um marco muito importante foi em 1987, quando surgiu a primeira norma ISO 9001, complementada pelas duas outras normas ISO 9002 e ISO 9003, onde havia a diferença básica entre elas: a 9001 envolvia um modelo para garantia da qualidade em projetos/desenvolvimento, produção, instalação e assistência técnica. Já a 9002 possuía o mesmo escopo da 9001, executando-se projetos/desenvolvimento e a 9003 era menos abrangente e abordava apenas inspeção e testes finais.

“Em função destas normas, inicia-se o desenvolvimento das avaliações de sistemas e de gestão da qualidade por segunda parte, modalidade conhecida como qualificação de fornecedores”, acrescentou.

Segundo o consultor, na fase inicial as certificações eram conduzidas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), porém em 1992 passou a serem conduzidas por organismos e laboratórios acreditados pela Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) do Inmetro. Atualmente, são mais de 250 famílias de produtos e serviços no âmbito do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade (SBAC), que é um subsistema do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Sinmetro). “O que torna um programa compulsório são três aspectos: saúde, segurança e meio ambiente”.

Na sequência, Figueiredo explicou os conceitos chaves da área, destacando que a base deles está definida na norma ISO IEC 17000:2020, que especifica termos e definições gerais relacionados à avaliação da conformidade.

Sobre modelos de certificação, o consultor destacou que a ISO possui em sua estrutura um comitê de avaliação da conformidade chamado CASCO (Committee on Conformity Assessment), que elaborou sete modelos e que foram adotados pelo Conmetro para fins de certificação compulsória e voluntária.

“O processo de certificação de produtos é formado pelas seguintes etapas: recebimento de solicitação de certificação, elaboração da proposta comercial, recebimento da documentação técnica do produto, avaliação do laboratório, auditoria de avaliação inicial da fábrica e coleta de amostras, análise da auditoria de avaliação inicial da fábrica, acompanhamento de ensaios, ensaios iniciais, análise de relatório de ensaios e revisão técnica”, acrescentou.

O consultor explicou que após a emissão do certificado de produtos, para os esquemas de avaliação da conformidade que estabelecem manutenções, realiza-se periodicamente auditorias e ensaios de manutenção a fim de garantir que as características técnicas iniciais do produto e do processo de fabricação se mantenham.

Após a apresentação, o gerente de negócios da SGS, Luiz Ferri acompanhou os estagiários em uma visita aos laboratórios de ensaios químicos, mecânicos e elétricos.

Fonte: Assessoria de imprensa da Abrac