“A inspeção é aplicada para constatar que determinado veículo atende aos requisitos estabelecidos no instante de sua verificação”

Presidente da Angis, Aquiles Pisanelli, comentou sobre a nova gestão, avaliação da conformidade e Gás Natural Veicular (GNV)

A Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac) entrevistou o novo presidente da Associação Nacional dos Organismos de Inspeção (Angis), Aquiles Pisanelli, sobre a nova gestão, avaliação da conformidade e Gás Natural Veicular (GNV).

A Angis é uma entidade de classe sem fins lucrativos, que congrega os Organismos de Inspeção Licenciados pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e acreditados pela Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

A nova diretoria é composta por Aquiles L. Pisanelli, presidente; Luiz Cremonezi, vice-presidente; Ricardo Mantovane, diretor administrativo; Jeferson Molina Lopes, diretor financeiro e Claudio Torelli, conselheiro fiscal da entidade.

Leia a entrevista na íntegra.

Abrac – Quais são os principais objetivos da Angis?

Aquiles Pisanelli – Demonstrar para as autoridades constituídas e para a sociedade em geral que a inspeção de segurança veicular contribui diretamente na preservação de vidas e do meio ambiente; fomentar o sentido de solidariedade e colaboração recíproca dentre as empresas associadas; e atuar junto aos órgãos governamentais, para aprimoramento da regulamentação do setor nas questões técnicas e legais.

Abrac – A inspeção é um dos mecanismos de avaliação da conformidade. Como avalia a importância desse mecanismo?

Aquiles Pisanelli – A inspeção é aplicada para constatar que determinado veículo atende aos requisitos estabelecidos no instante de sua verificação. Os Organismos de Inspeção Acreditados em segurança veicular têm a missão de informar às autoridades de trânsito que determinado veículo é seguro, ou não, para circular em vias públicas.

Abrac – Uma das frentes da Angis é alertar sobre os riscos de explosões no abastecimento de GNV em veículos irregulares. Como tem sido essa campanha?

Aquiles Pisanelli – Os sistemas GNV instalados dentro dos parâmetros estabelecidos pelos regulamentos técnicos do Inmetro e regulados para circulação dos veículos pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) não oferecem riscos. O risco está diretamente relacionado às instalações clandestinas e à não submissão do veículo às inspeções e testes periódicos. A campanha de conscientização das autoridades, proprietários de veículos e postos de abastecimento sobre a obrigatoriedade da apresentação do selo de segurança GNV Inmetro, que atesta que o veículo cumpriu todas as normas e regulamentos, tem tido uma repercussão nacional. Ainda deveremos cobrar novamente e pontualmente algumas das autoridades envolvidas. O resultado virá naturalmente com a diminuição de acidentes.  

Abrac – Quais são os planos da Associação com a nova gestão?

Aquiles Pisanelli – Esta nova gestão terá por objetivo nos aproximar ainda mais das autoridades e das entidades correlatas para desenvolver programas conjuntos para aumentarmos a oferta de veículos seguros em circulação, tendo a inspeção de segurança veicular como importante ferramenta na preservação de vidas.

Fonte: Assessoria de imprensa da Abrac