“A importância do nosso trabalho é dar credibilidade para as pessoas que querem mostrar seriedade no mercado”

O diretor-executivo da Abrace, Marcos Nagaoka e o gestor da qualidade, Alexandre Inada, comentam sobre o objetivo da avaliação da conformidade, importância de ser um associado da Abrac e muito mais.

O diretor-executivo da Abrace, Marcos Nagaoka e o gestor da qualidade, Alexandre Inada, concederam entrevista à Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac) para comentar sobre avaliação da conformidade, importância de ser um associado, entre outros tópicos.

Fundada em 2004, a Abrace atua nos segmentos de certificação de produtos e certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade, além de certificações voluntárias, através da solicitação de organizações e associações de classe.

Confira a entrevista na íntegra:

AbracQuais as principais certificações que Abrace realiza?

Marcos Nagaoka – A Abrace atua na certificação de Produtos e Sistemas de Gestão da Qualidade. Somos líderes de mercado na certificação de embalagens utilizadas no transporte terrestre de produtos perigosos e também atuamos nos seguintes escopos: capacetes para condutores e passageiros de motocicletas, panelas metálicas, equipamentos para consumo de água, escadas metálicas domésticas, colchões de mola e espuma.

Alexandre Inada – Além das certificações de produtos, destaco também a atuação na área de Sistemas de Gestão da Qualidade, especificamente com base na norma ISO 9001. Atualmente temos acreditação da Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) do Inmetro para certificação dentro dos segmentos de: papéis, papelões, plásticos, borrachas, produções de materiais metálicos, metalúrgicas, colchões, automóveis, prestação de serviços, hospitais e laboratórios clínicos entre outros.  

Abrac – Como vocês avaliam a importância de trabalhar com avaliação da conformidade?

Alexandre Inada – Vejo como um ponto importantíssimo. A Abrace foi fundada em 2004 e já surgiu com essa missão de atuar na avaliação de conformidade dentro dos programas de certificação compulsória.

Já são 18 anos de trajetória e construção, sempre colocando a avaliação da conformidade como ponto primordial do nosso trabalho, onde podemos contribuir com a sociedade, consumidor final, indústrias, regulamentadores e as associações, como a Abrac.

Avaliação da conformidade é importantíssima e traz benefícios ao consumidor como produtos mais seguros que protejam nossa saúde e bem-estar. Outro ponto importante é proporcionar às indústrias, que passam pelo processo de avaliação da conformidade uma concorrência técnica com maior padronização e aumento da qualidade.

Marcos Nagaoka – Quando um produto, processo ou sistema atende a um programa de avaliação da conformidade e recebe a atestação de um OAC (Organismo de Avaliação da Conformidade), o fornecedor ganha credibilidade e possibilita seu acesso a inúmeros mercados permitindo uma concorrência mais justa entre as empresas e melhores produtos aos consumidores.

Então a importância do nosso trabalho é dar credibilidade para as pessoas que querem mostrar seriedade no mercado.

Abrac – Há quanto tempo vocês são associados da Abrac e qual a importância de fazer parte da Associação?

Marcos Nagaoka – Quando iniciamos a Abrace, sempre quisemos trabalhar com pessoas de boa índole e de maneira responsável demonstrando ao mercado nossa seriedade. A Abrac é excelente, pois facilita a troca de informações entre os organismos possibilitando que suas divergências sejam discutidas e resolvidas e que as dúvidas comuns sejam dirigidas ao Inmetro de forma independente e transparente.

Alexandre Inada- Vejo a Abrac como um elo importantíssimo. Existem duas pontas: os organismos e os laboratórios numa ponta, e o órgão regulamentador na outra ponta. Essa ligação através da Associação é muito importante, em especial em assuntos de interesse comum à todos os Organismos.

Abrac – Como certificadora, quais são as expectativas para o modelo regulatório do Inmetro?

Marcos Nagaoka – Esperamos que o novo modelo regulatório proposto pelo Inmetro seja devidamente implementado e que as regulamentações para a avaliação da conformidade possam ser melhoradas continuamente através de um ciclo evolutivo que beneficie os OCPs, os fornecedores e a sociedade brasileira.

 Alexandre Inada – Nós (Abrace) entendemos o novo modelo regulatório como um processo pertinente e, acima de tudo, necessário! Precisamos enxergar além e iniciar um ciclo de modernização nas nossas atividades atrelando como parte fundamental desse processo, a questão da fiscalização.

Fonte: Assessoria de imprensa da Abrac