“A Abrac proporciona aos seus associados adentrar com mais segurança no mercado latino-americano no que tange à acreditação”

Recém-eleito presidente do Comitê das Partes Interessadas da Cooperação Interamericana de Acreditação (IAAC), Israel Teixeira, vice-presidente de Laboratórios da Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac), comenta sobre as suas expectativas no órgão internacional

Na última sexta-feira (19.08), o vice-presidente de Laboratórios da Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac), Israel Teixeira foi eleito presidente do Comitê das Partes Interessadas da Cooperação Interamericana de Acreditação (IAAC), durante a 30ª Reunião da Assembleia Geral da Cooperação Interamericana da entidade na cidade de Antigua, localizada no sul da Guatemala.

O novo presidente concedeu, com exclusividade, entrevista à Associação para falar sobre o Comitê das Partes Interessadas, a eleição, objetivos na presidência, importância da Abrac no IAAC, entre outros tópicos.

Teixeira é diretor do Labelo desde abril de 2013 e possui experiência em posições de alta gestão em operações de grande porte na área de prestação de serviços em tecnologia, inicialmente no segmento de telecomunicações, depois distribuição de energia e agora em laboratório de prestação de serviços tecnológicos para certificação de produtos, com breve passagem pelo setor metal mecânico. É especialista em Telecomunicações pela PUC do Paraná, Marketing Empresarial e Administração Empresarial pela UFPR.

Leia a entrevista na íntegra.

Abrac – Primeiramente, o que seria o Comitê das Partes Interessadas do IAAC?

Israel Teixeira – O IAAC, Inter-american Accreditation Cooperation, é uma Cooperação Interamericana de Acreditação que reúne acreditadores de todo o continente. Todos os países estão presentes. Há quase dez anos, o Masao Ito, aqui do Brasil, e o Ramón Madrignan, da Colômbia, participavam como ouvintes das reuniões e das assembleias, mas logo entenderam que seria importante que organismos acreditados, como laboratórios e certificadoras pudessem contribuir. Passaram então, a fazer ações junto ao Comitê Executivo, que é o organismo máximo da cooperação para que se IAAC criasse um Comitê de Partes Interessadas, ou seja, um Comitê de Stakeholders, que seria composto por laboratórios e organismos de certificação com o objetivo de contribuir com os organismos de acreditação, especialmente para a harmonização de entendimentos.

Abrac – Quantos membros fazem parte do Comitê de Partes Interessadas?

Israel Teixeira – Hoje contamos com 57 membros de 14 países, sendo que Argentina, Brasil, Colômbia, Equador, Estados Unidos e México contam com maior número de membros.

Abrac – Sabemos que existe um plano de trabalho para a sua gestão. Pode falar um pouco sobre ele?

Israel Teixeira – Até agora exercia o cargo de vice-presidente, então apoiei Marta Del Cid que, termina seu mandato, a elaborar o plano de trabalho para o biênio 2022/2024. Esse plano reflete o que pensam os membros do Comitê de Stakeholders. Ele foi validado em reuniões e na própria Assembleia Geral. Quero destacar que Marta Del Cid presidiu brilhantemente o Comitê e deixa um legado robusto e avanços importantes, como por exemplo, a nossa participação nos comitês técnicos de MLA (Acordos Multilaterais), LSC (Laboratórios), CBSC (Certificadoras) e IBSC (Inspeções), onde poderemos opinar.

 Do plano 2022 a 2024, quero destacar as resoluções da última assembleia:

  • Ampliação da adoção e aceitação de escopo flexível no continente. Com isso se diminui muito o tempo necessário para a acreditação de extensões de escopo para os organismos. A redução no tempo de acreditação, para extensões, é muito relevante, na medida em que minimiza os custos de investimento e impulsiona a oferta de serviços de calibração e ensaios ao mercado.
  • Apoiar as ações do IAAC para promover a marca do IAAC aos organismos governamentais e demais partes interessadas da região, tornando a acreditação mais conhecida pelos reguladores, governos, indústria, academia e consumidores.
  • Avançar com o estudo “Documento e roteiro Fortalecimento da infraestrutura de qualidade em nível global”, onde a avaliação da conformidade alia-se a sociedade na busca de excelência;
  • Avançar junto ao comitê executivo no desenho de um modelo em que partes interessadas possam votar em temas que são pertinentes a organismos de avaliação;
  • Iniciar estudos para o processo de transformação digital, tema contemporâneo e que impactará positivamente nos processos de acreditação.

Abrac – Como presidente do Comitê das Partes Interessadas do IAAC, quais são as suas expectativas para o mandato?

Israel Teixeira – As minhas expectativas são que consigamos atingir esses objetivos e que possamos também trazer para dentro do IAAC novas partes interessadas. Além disso, que seja possível utilizar a entidade para consolidar a Associação Interamericana de Avaliação da Conformidade (AIEC).

Abrac – Atualmente, você é diretor do Labelo e vice-presidente de Laboratórios da Abrac. Quais experiências desses dois cargos que irá levar para o IAAC?

Israel Teixeira – Entendo que da Abrac, levo a experiência de conviver com diferentes expectativas, que é o que ocorre quando se tem uma associação. Capturar os anseios dos associados, que sempre visam o fortalecimento do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade e atuar para que sejam atendidos é um aprendizado que embasará minha atuação no IAAC. Da gestão do Labelo, levo o conhecimento de como é operar um organismo de avaliação e assim, creio que posso contribuir com os acreditadores para o fortalecimento da acreditação.

Abrac – Como avalia a importância da Abrac estar presente no IAAC?

Israel Teixeira – Qualquer laboratório ou certificadora pode se associar individualmente ao Comitê de Stakeholders do IAAC, mas quando você tem um pleito, que é levado por uma Associação, como a Abrac, que também é filiada ao TIC Council, ao IAF e ILAC, isso tem um peso realmente relevante dentro tanto do Comitê Executivo do IAAC.

A Abrac participar é fundamental porque podemos antecipar tendências, avaliar riscos e promover a harmonização de entendimentos, mas principalmente oferecer subsídios técnicos muito robustos para os acreditadores utilizarem como insumo nos processos de acreditação.

Abrac – Como avalia a importância do IAAC para o desenvolvimento da acreditação e avaliação da conformidade nas Américas?

Israel Teixeira – A acreditação é que confere confiança aos programas de avaliação da conformidade. Essa confiança, dentre outros, tem na harmonização de práticas um de seus elos fortes. E esse é um dos fatores mais importantes que tem essa Cooperação.

Fonte: Assessoria de imprensa da Abrac