5G: equipamentos devem ser testados e certificados para suportar a tecnologia

17 certificadoras e três laboratórios no Brasil já estão aptos para testar e certificar telefones celulares, estações terminais de acesso, transceptores para estação rádio base, entre outros

Na última quarta-feira (15.12), a Algar Telecom disponibilizou o 5G em bairros de Uberlândia e Uberaba, ambas em Minas Gerais, e em Franca, localizada no interior de São Paulo, tornando-se assim a primeira operadora do Brasil a lançar a tecnologia em frequência comercial adquirida em leilão da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

Para que a tecnologia 5G tenha efetividade é necessário que os aparelhos sejam compatíveis com a nova frequência, sendo que três laboratórios e 17 certificadoras credenciadas pela Anatel já atuam na capacitação de seus parques técnicos para que possam testar e avaliar itens como compatibilidade eletromagnética, segurança elétrica oferecida ao usuário e suas características na emissão de rádio frequência que possam ser absorvidas pelo corpo humano durante a utilização dos dispositivos.

“Diferente das tecnologias anteriores, a telefonia celular 5G trouxe avanços significativos para suportar o enorme tráfego de dados oriundos de uma demanda de informação por parte sociedade. Foi necessário entender como seria possível compartilhar, neste primeiro momento do 5G no Brasil, as redes já existentes de 4G”, declarou o vice-presidente de Telecomunicações da Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac), Leonardo Tozzi Pinheiro.

Em junho de 2021, a Anatel publicou os requisitos técnicos de avaliação da conformidade para o 5G, e a partir desse momento todas as certificadoras com escopo do 4G foram designadas para atuar com a nova tecnologia, podendo emitir certificados de telefones celulares, estações terminais de acesso, transceptores para estação rádio base, entre outros.

“É importante termos no país laboratórios capacitados e aptos para testar novas tecnologias conforme a realidade brasileira. Temos, por exemplo, um ambiente eletromagnético único, com alta incidência de raios, e essa existência é considerada no cenário de testes exigidos no Brasil”, comentou o vice-presidente de Telecomunicações da Abrac, Jose Eduardo Bertuzzo.

Para que os testes sejam realizados, o fabricante deve selecionar um Organismo de Certificação Designado (OCD) e fornecer as informações técnicas sobre o produto analisado, para então serem determinados os padrões e ensaios aplicáveis. Na sequência, escolhe-se o laboratório que fará os testes, que executa os ensaios e emite seu relatório. Este é analisado pela certificadora que, em caso de resultado positivo, cadastra o produto na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que analisa a documentação e emite o certificado de homologação para que o produto ou serviço seja comercializado.

Sobre a Abrac

Fundada em 2009, a Associação Brasileira de Avaliação da Conformidade (Abrac) reúne as empresas responsáveis pela avaliação da conformidade de produtos, sistemas e laboratórios de ensaio e calibração, acreditados pelo Inmetro e designados pela Anatel, que são oferecidos aos cidadãos, trabalhando em sua inspeção e certificação com o objetivo de informar e proteger o consumidor, em particular quanto à saúde, segurança e meio ambiente; propiciar a concorrência justa; estimular a melhoria contínua da qualidade; facilitar o comércio internacional; e fortalecer o mercado interno, atuando em conjunto com os órgãos reguladores das atividades em âmbito nacional.